De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Colunistas

Solidariedade com muçulmanos: será o medo da violência criador de respeito político?

Guterres foi à mesquita de Nova Iorque mostrar solidariedade com muçulmanos, o que demonstra um gesto nobre e louvável. O que chama, porém, a atenção é a diferente atitude da política oficial no que toca ao trato do islamismo e do cristianismo.

O chefe da ONU nunca fez nem fará tal gesto quando muçulmanos atacaram ou atacam cristãos orantes em igrejas cristãs. “A santidade de todos os locais de oração e a segurança de todos os fiéis” que Guterres justamente apregoa não merece a sua presença quando se trata de ataques a Igrejas cristãs. Isto por mais que muçulmanos ataquem cristãos como tem sido o caso dos ataques a cristãos reunidos em Igrejas no Egipto, África e até em França!

Também não se veem autoridades muçulmanas suprarregionais manifestarem a sua solidariedade com os cristãos nem tão-pouco políticos em geral (estes, quando muito dirigem-se às famílias dos assassinados). Dá a impressão que fogem do cristianismo como o diabo da cruz. São usados descaradamente dois pesos e duas medidas. Dá nas vistas, mas os políticos sabem-se protegidos pelo escudo do politicamente correcto que leva o povo a não notar.

Guterres não mostra solidariedade com os cristãos porque isso não faz parte da agenda da ONU. Além do mais, muitos na ONU parecem ter um pouco de inveja de esta não se ter tornado ainda, uma espécie de “instituição católica”, a sua rival intestina!

O católico Guterres compromete-se unilateralmente com o islão como é próprio, em geral, da esquerda, o que faz surgir um natural sentimento de imparcialidade, injustiça e desonestidade, a quem está atento ao que acontece a nível mundial.