De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Colunistas

Restauração da Independência

A dinastia espanhola dos Filipes governou o país entre 1580 e 1640, altura em que o futuro D. João IV liderou uma revolta que afastou os castelhanos do trono.

Foram 120 os conspiradores que, na manhã de 1 de Dezembro de 1640, invadiram o Paço da Ribeira, em Lisboa, para derrubar a dinastia espanhola que governava o país desde 1580. Miguel de Vasconcelos, que representava os interesses castelhanos, foi morto a tiro e atirado pela janela.

Foi do balcão do Paço que foi proclamada a coroação do Duque de Bragança, futuro D. João V, e foi também dali que foi ordenado o cerco à guarnição militar do Castelo de S. Jorge e a apreensão dos navios espanhóis que se encontravam no porto.

Até ao final de 1640 todas as praças, castelos e vilas com alguma importância tinham declarado a sua fidelidade aos revoltosos.

A restauração da independência só seria reconhecida pelos espanhóis 27 anos depois, com a assinatura do Tratado de Lisboa.

Uma data importante, a conjuntura actual precisa de uma “restauração da independência”, uma revolução de pensamento, a liberdade que antes conhecíamos já não é a mesma, infelizmente existe todo um complexo de inferioridade que esta pandemia está a mostrar e que é preocupante.
A guerra de classes, onde o Ego e as manias de uns, convergem com a desgraça de outros.

Toda uma sociedade doente onde se escondem problemas, desilusões e ambições.

Como dizia Eduardo Lourenço, falecido hoje com os seus 97 anos:

“Os Portugueses vivem em permanente representação, tão obsessivo é neles o sentimento de fragilidade íntima inconsciente e a correspondente vontade de a compensar com o desejo de fazer boa figura, a título pessoal ou colectivo. A reserva e a modéstia que parecem constituir a nossa segunda natureza escondem na maioria de nós uma vontade de exibição que toca as raias da paranóia, exibição trágica, não aquela desinibida, que é característica de sociedades em que o abismo entre o que se é e o que se deve parecer não atinge o grau patológico que existe entre nós“.

Palavras sábias de um grande Homem.

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.