De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Lifestyle

Prémio Ibero-Americano de Literatura Infantil pode ir para Portugal

A escritora portuguesa Isabel Minhós Martins é candidata ao Prémio Ibero-Americano SM de Literatura Infantil e Juvenil, revelou a Direção-Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas (DGLAB).

“É atualmente a mais reconhecida escritora portuguesa para a infância da sua geração. Veio ocupar um lugar de destaque, na linha de escritoras como Sophia de Mello Breyner Andresen e Alice Vieira”, refere o organismo que propôs Isabel Minhós Martins ao prémio mexicano.

Este galardão literário foi lançado em 2005 pela Fundación SM (México), tem um valor monetário de 26.600 mil euros e destina-se a “reconhecer os autores cuja carreira literária esteja voltada para os públicos infantil e juvenil” em língua portuguesa ou espanhola.

No entender da DGLAB, a obra de Isabel Minhós Martins “é transversal a diversas gerações sem nunca perder a atualidade e a qualidade literária”. A autora tem “uma capacidade invulgar de se apoiar numa linguagem essencial e límpida, num patamar de simplicidade e de proximidade que é de imediato inteligível pelo público a que se destina”.

Nascida em 1974, Isabel Minhós Martins já publicou mais de 30 livros para os mais novos, a maioria pelo projeto editorial que cofundou, o Planeta Tangerina, e muitos deles estão traduzidos e editados em vários países.

“Quando eu nasci”, “O meu vizinho é um cão”, “Enquanto o meu cabelo crescia” e “Atlas das viagens e dos exploradores” são alguns dos livros escritos por Isabel Minhós Martins.

Este ano foi finalista do prémio norte-americano NSK Neustadt, e os seus livros foram distinguidos e nomeados internacionalmente, por exemplo, para o Prémio Andersen, Deutscher Jugenliteraturpreis (Alemanha), CJ Picture Book Festival (Coreia do Sul) e Feira do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha.

O vencedor do prémio da Fundación SM será anunciado até setembro e entregue no final do ano na Feira do Livro de Guadalajara, no México.

No ano passado, em que Alice Vieira era candidata, o prémio foi atribuído à escritora argentina Graciela Montes.