De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Desporto

Portugal quer matraquilhos nos Jogos Olímpicos

A ambição da Federação Internacional de Matraquilhos de elevar o desporto a modalidade olímpica acalenta um esforço de reconhecimento em Portugal, onde os jogadores pedem mais apoio e regularidade competitiva para chegar mais longe.

A Junta de Freguesia de Seroa, no concelho de Paços de Ferreira, distrito do Porto, foi este fim de semana palco de um de dois eventos internacionais da modalidade em solo português, do ‘ProTour’ da Federação Internacional de Matraquilhos e Futebol de Mesa (ITSF, na sigla em inglês).

Entre as várias mesas, que exibiam o ‘slogan’ “velho jogo, novo desporto”, vários jogadores disputaram o torneio que pontuava “tanto para o ‘ranking’ nacional como o internacional”, explicou à Lusa Ricardo Vieira.

Vieira é vice-presidente da Federação Portuguesa de Matraquilhos e Futebol de Mesa (FPMFM), sediada em Valongo, e presidente da Associação de Matraquilhos do Porto, além de integrar a comissão europeia da ITSF, e destacou a escolha de Seroa como uma de proximidade com “um núcleo de bons jogadores” naquela zona do país.

Ao todo, conta, cerca de 400 atletas são federados em Portugal, com várias associações distritais e clubes espalhados um pouco por todo o país, com a FPMFM a reformular o modelo competitivo, até há uns anos entregues às distritais, para centralizar esse esforço.

“A partir de 2020, queremos mudar esse paradigma, porque a federação, na sequência do que quer a federação internacional, quer reconhecer a modalidade como desporto. É preciso uma envolvência de jogadores, clubes e associações, porque é uma modalidade pequena, ainda conotada como sendo de café, mesmo tendo já eventos de grande qualidade”, conta.

Dos apoios a mais envolvimento dos jogadores ao fim do “estigma de ser uma modalidade amadora e de café”, o plano de trabalho está traçado e, nos próximos quatro anos, o objetivo federativo é assumido: “atingir os critérios necessários” para serem reconhecidos como instituição de utilidade pública desportiva.

A viver o ‘ano zero’, diz Ricardo Vieira, os principais caminhos serão o da formação, através de um projeto em escolas que arranca em 2020, com o nome “Uma Escola, Uma Mesa Oficial”, além do aumento do número de clubes e de competições homologadas.

O reconhecimento da modalidade, que a federação já anunciou como objetivo em comunicado, está alinhado com as pretensões da ITSF de reconhecer os matraquilhos como desporto olímpico, nomeadamente tornando-se “um evento de teste” nas provas a partir de 2024.

É “um projeto de médio prazo”, explica Ricardo Vieira, e precisa de cerca de 40 países que vejam o futebol de mesa como desporto, para chegar ao nível “do ténis de mesa ou dos bilhares, que estão noutros patamares”, e ver também valorizadas as “condições sociais, educacionais e até de inclusão”.

“A modalidade foi criada como um simulador de futebol para quem não podia praticá-lo. […] Em Portugal, já organizámos um campeonato nacional em cadeira de rodas. Há um caminho longo e duro”, lembra.

Ao longo dos anos, e além da capacidade organizativa que o dirigente federativo vê num país que, em termos desportivos, estará “no ‘top’ 16” mundial, atletas portugueses foram somando medalhas, surgindo na mente de todos um título de campeões do mundo, momento em que o futebol de mesa se juntaria ao futebol e futsal, com seleções campeãs europeias, e ao futebol de praia, recentemente coroados campeões do mundo.

Uma das ‘estrelas’ dos matraquilhos portugueses, também chamados de ‘matrecos’ ou de futebol de mesa, é Fábio Carneiro, um estudante de 19 anos natural de Paços de Ferreira.

Tricampeão nacional de juniores, este ano foi segundo no campeonato de equipas absoluto e teve o ponto alto da carreira no Mundial: foi terceiro e trouxe para casa uma medalha de bronze.

Tudo começou, conta Fábio, com a irmã, Sandra, ela mesma uma antiga campeã nacional. “Vinha ver. Comecei a jogar e a evoluir e tenho ganho algumas coisas. Para mim isto é um desporto, gosto de jogar e gera convívio, nós somos todos amigos”, conta à Lusa.

O sonho olímpico também ‘brilha’ nas ambições do jovem atleta, que para já quer ser campeão nacional e poder jogar bem para “ser convocado para a seleção”, mas reconhece que seria “uma experiência incrível”.

Apesar de tudo, vê o nível “a baixar, com menos equipas e condições”, o que o leva a pedir “mais adesão de equipas para poder subir o nível do desporto”, embora Filipe Carvalho, de 35 anos, não concorde com a falta de crescimento.

Para o campeão nacional de duplas, que começou a praticar “nas pausas do trabalho”, há evolução sobretudo nos resultados que a seleção portuguesa tem conseguido no estrangeiro, e aponta para a diferença no tipo de mesas utilizadas, bem como na falta de ritmo competitivo e de treino em comparação com outros países.

A trabalhar numa empresa de assistência técnica, Carvalho já esteve para participar em provas internacionais, mas o trabalho falou mais alto, e por isso gostaria que o desporto fosse reconhecido, tanto para facilitar as viagens como para chegar a um ponto, “que não é fácil, de uma pessoa poder viver disto”.

Ainda assim, acalenta o sonho de poder disputar o próximo mundial, enquanto campeão nacional, numa fase em que já nota uma evolução mais estável e prolongada, por oposição a um ‘salto’ no início.

“Há sempre uma finta nova ou uma tática, porque também se usa a tática, como acelerar ou pausar o jogo”, explica.