De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Europa

Porto integra iniciativa europeia de ciência

O Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) passou a integrar o TTO Circle, iniciativa europeia que visa “projetar” o conhecimento científico através da “partilha de práticas e políticas” de transferência de tecnologias.

Em declarações à Lusa, Catarina Maia, representante do INESC TEC, contou que esta é a “primeira vez que uma instituição portuguesa” integra o TTO Circle – Círculo de Gabinetes de Transferência de Tecnologia, uma iniciativa da Comissão Europeia que reúne 31 instituições de investigação “de grande dimensão e com uma estratégia sólida e bem definida”.

“Nesta iniciativa não havia nenhuma voz portuguesa e passará a haver, porque efetivamente o nosso ecossistema é bastante diferente dos restantes. E, portanto, podemos aprender com os outros em termos de políticas, mas isso não significa que as políticas sirvam a todos de igual forma”, apontou a responsável.

Segundo Catarina Maia, em Portugal o “ecossistema encontra-se bastante fragmentado” em termos de produção de ciência, adiantando que falta “massa crítica” que permita que as instituições científicas sejam “projetadas” no estrangeiro.

“Ora, ao estarmos no TTO Circle também estamos a associar-nos às grandes instituições de investigação europeia, exatamente para projetarmos os nossos resultados de investigação e a potencial transferência desse conhecimento para a indústria”, frisou.

Com o objetivo de partilhar práticas e conhecimentos em matéria de transferência de tecnologias, esta iniciativa visa também o desenvolvimento de atividades conjuntas e a promoção das tecnologias desenvolvidas pelos centros e institutos de investigação nos mercados europeus.

“A criação do TTO Circle prova que a inovação está no centro da agenda política de Bruxelas. A transferência de tecnologia vai permitir enfrentar os desafios societais mais críticos com que atualmente nos deparamos a nível europeu”, salientou.

À Lusa, a representante contou que, recentemente, um ‘workshop’ promovido pelo TTO Circle possibilitou aos representantes das instituições científicas “discutir as políticas de financiamento e a intervenção pública e privada na área”.

“A União Europeia tem uma produção de conhecimento muito grande a nível internacional, porém, a transferência desse conhecimento e a utilização que as empresas fazem dos resultados da ciência, a chamada transferência de tecnologia, é muito mais deficitária na Europa do que noutros continentes”, frisou.

Segundo Catarina Maia, a escolha do INESC TEC “reflete o papel” do instituto a nível nacional e europeu, na medida em que é “dos institutos que mais transferência de tecnologia faz para as empresas através de inúmeras tipologias de projetos”.

“Usamos diversos mecanismos para transferência, desde patentes, à liberação de ‘software’ em ‘open source’, a monitorização dessas licenças e isso é algo que é também enriquecedor a nível europeu”, acrescentou.