De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Mundo

Moçambique quer relações com Portugal centradas na economia

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, defendeu o reforço das relações económicas com Portugal, promovendo a transformação das matérias-primas no país e a criação de empresas locais que exportem para a África Austral a partir de Moçambique.

Numa entrevista à Lusa e à Euronews, à margem do Fórum EurAfrican, que decorre em Carcavelos, Cascais, e termina hoje, Filipe Nyusi afirmou que “as relações [entre Portugal e Moçambique] estão impecáveis”, mas é necessário “um pouco mais para a progressão, para produzir resultados” e que os dois países estejam “orientados para a economia”.

“Precisamos de mais formação. Precisamos de tecnologia” porque a “matéria-prima em Moçambique tem de ser transformada em Moçambique”, defendeu o chefe de Estado, salientando que esta solução permite empregar mais pessoas e acrescentar “valor às exportações”.

“Esta é a condição principal para todo o tipo de investimento. O país tem de ser respeitado. As pessoas têm de acreditar que os seus investimentos têm continuidade”, disse Nyusi, que deu exemplos dos produtos em que o país é competitivo.

“Queremos entrar na Europa a partir daqui. O nosso camarão não tem concorrente, o nosso algodão, o nosso sisal”, disse, acrescentando a castanha de caju ou o feijão como produtos que Moçambique pode exportar para outros países.

Nesse sentido, Nyusi desafiou as empresas portuguesas a investirem no país em parceria com empresários locais.

“Queremos que Moçambique seja a porta de entrada de Portugal para a África austral”, disse, acrescentando que esta aposta no incremento das relações económicas deve estender-se à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

“Tenho estado a falar com o Presidente [João] Lourenço [de Angola] muitas vezes” sobre “mover a CPLP” e “criar ebulição” dentro da organização, tendo em conta as “potencialidades económicas” que existem.

Nesse sentido, devem existir mais “incentivos para aliciar investidores” no seio da CPLP, defendeu o chefe de Estado moçambicano.