De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Colunistas

Governo austríaco: um indício para futuras coligações na União Europeia

A formação do novo governo austríaco de coligação de Conservadores e Verdes, sob a orientação do novo chanceler Sebastian Kurz, constitui uma novidade com caracter exemplar, numa Europa onde parece passar a não haver regras para a mistura de cores políticas.

O governo empossado (07.01.2020) tem 17 membros, dos quais oito são ministras. A Coligação conseguiu aproximar os temas de política migratória com os planos de preservação do clima.

Kurz continua fiel ao seu tema político da imigração e tem a chance de ganhar terreno perdido em relação ao seu governo anterior de coligação com o FPÖ („populista“).

O mérito de Kurz vem da sua grande capacidade diplomática e da sua vontade de compromisso.

Não será fácil a missão deste governo mas tem a grande vantagen de formar uma equipa capaz de puxar também o carro dos muitos  indignados.

O presidente federal Van der Bellen fez um apelo aos empossados acentuando: “E peço-vos que continuem em conversa, tanto com os vossos adversários como com os vossos fãs. Em resumo, mantenham-se em contato com a Áustria” (1).

Esta estreia na Áustria entre Conservadores  (ÖVP) e Verdes poderá ser um indício para o que acontecerá nas peróximas eleições alemãs (CDU/CSU e Verdes!). Os Verdes definem-se no seu programa pelo princípio “democracia de base, não violenta, ecológica, solidária, feminista, independente”. O partido ÖVP representa o espaço burguês, conservador e liberal tendo como fonte de orientação social a doutrina social católica.

António da Cunha Duarte Justo

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.