De que está à procura ?

Portugal

Dietas mais saudáveis e sustentáveis desenvolvidas no Alto Minho

© DR

No âmbito do projeto FEAST (Food systems that support transitions to hEalthy And Sustainable dieTs), do qual a Comunidade Intermunicipal do Alto Minho (CIM Alto Minho), juntamente com o IPVC – Instituto Politécnico de Viana do Castelo, é parceira, o território do Alto Minho vai encetar a transição para dietas alimentares mais saudáveis e sustentáveis por parte de intervenientes no sector do sistema alimentar.

Aprovado pelo programa Horizonte Europa Pilar II – Cluster 6: Alimentação, bio economia, recursos naturais, agricultura e ambiente, este projeto está a ser dinamizado por um consórcio de 36 entidades europeias, entre instituições públicas, empresas, universidades e muitos atores políticos, liderado pela Universidade de Heidelberg, na Alemanha, apresentando-se como um projeto científico inovador e de elevada qualidade internacional.

Com um orçamento total de 11,9 milhões de euros e um período de implementação de cinco anos, o FEAST visa despoletar uma mudança para um sistema alimentar sustentável, numa estratégia ‘Win-Win-Win-Win’, que perspetive grandes ganhos para as pessoas, para o planeta e para os sectores público e privado, promovendo investigação e intervenção nos sistemas agroalimentares que suportam as transições para dietas mais saudáveis e sustentáveis. Ainda de referir que este projeto pretende promover o estado da arte na investigação e inovação, reunindo diferentes áreas de expertise em todo o sistema alimentar e, acima de tudo, integrando a dimensão comportamental dos “atores alimentares”, muitas vezes descurada. Esta abordagem permitirá estimular a cocriação de soluções e práticas inovadoras, baseadas na comunidade e para a comunidade.

Por outro lado, o projeto FEAST concorre para o cumprimento dos objetivos de mitigação das alterações climáticas, plasmados no Acordo Verde Europeu (European Green Deal), contribuindo também para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU. Ou seja, com a adoção de novas soluções e das melhores práticas ao nível das dietas alimentares (mais ricas em alimentos saudáveis produzidos em agricultura orgânica e sem pesticidas, e acessíveis a todos), este projeto traz claros benefícios não só para o meio ambiente como ao nível da saúde da população.

TÓPICOS