De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Comunidades

Daniel Bastos apresenta livro em Toronto

No âmbito das comemorações do Dia de Portugal no Canadá, o historiador e colunista do BOM DIA Daniel Bastos, apresenta no dia 22 de junho, às 10h00, na Galeria dos Pioneiros Portugueses em Toronto, o seu mais recente livro “Gérald Bloncourt – Dias de Liberdade em Portugal”.

A iniciativa, aberta à comunidade luso-canadiana em Toronto, é promovida pela Galeria dos Pioneiros Portugueses, um Museu criado em 2003 que se dedica à perpetuação da memória e das histórias dos pioneiros da emigração portuguesa para o Canadá.

O livro, uma edição trilingue (português, francês e inglês) com prefácio do coronel Vasco Lourenço, presidente da Direção da Associação 25 de Abril, foi concebido a partir do espólio singular de Gérald Bloncourt, um dos grandes nomes da fotografia humanista recentemente falecido em Paris.

Neste novo livro, realizado com o apoio da Associação 25 de Abril, uma das instituições de referência do Portugal democrático, Daniel Bastos revela uma parte pouco conhecida do espólio de Gérald Bloncourt, afamado fotógrafo que imortalizou a emigração portuguesa nos anos 60, mas que foi também um espectador privilegiado da explosão de liberdade que tomou conta do país após a Revolução de 25 de Abril de 1974.

Através de imagens até aqui praticamente inéditas aborda factos históricos que medeiam a Revolução dos Cravos e a celebração do Dia do Trabalhador na capital portuguesa. Designadamente, a chegada do histórico líder comunista Álvaro Cunhal ao Aeroporto de Lisboa, a emoção do reencontro de presos políticos e exilados com as suas famílias, o caráter pacífico e libertador da Revolução de Abril, e as celebrações efusivas do 1.º de Maio de 1974, a maior manifestação popular da história portuguesa.
A publicação da obra, que é ainda enriquecida com memórias e testemunhos do fotojornalista franco-haitiano, representa cerca de meio século após a Revolução de Abril um novo contributo e oportunidade para revisitar a génese da democracia portuguesa. Assim como, um dever de memória e um contributo cívico que procura dar vida à democracia através da importância da história na compreensão do presente e na construção do futuro.