De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Comunidades

Califórnia: luso-americanos acreditam na vitória de Trump

No condado de maioria conservadora de Tulare, vale central da Califórnia, a comunidade luso-americana está confiante que o Presidente Donald Trump vai bater Joe Biden nas eleições presidenciais de 03 de novembro.

“Estou otimista que Trump vai ser reeleito”, disse à Lusa Rosie Nunes, luso-americana nascida nos Açores que votou pela primeira vez em 2016, depois de obter a cidadania.

“Não penso que a América continuará a ser a América se não conseguirmos reeleger Trump”, afirmou. “Se ele não vencer, vamos ser um país socialista, porque é que isso que o outro lado defende. É a nossa única esperança, neste momento. É por isso que esta eleição é a mais importante da nossa história”, defendeu.

Só na cidade de Tulare, a comunidade de origem portuguesa representa mais de 8% da população. A maioria está ligada a atividades na indústria agrícola e laticínios, como é o caso de Rosie Nunes e Tom Barcellos.

“Trump vai vencer. Estou confiante. Temos todos estes clichés sobre a maioria silenciosa, mas acredito que é verdade”, disse à Lusa Tom Barcellos, lusodescendente de terceira geração que detém a empresa agrícola Barcellos Farms, em Porterville.

“Se houver uma mudança de administração, não vai ser bom”, afirmou, considerando que o atual Presidente teve várias conquistas importantes no seu mandato.

“Algumas das coisas que aconteceram durante esta administração reverteram as políticas de Obama. Esta administração conseguiu o USMC, o novo tratado comercial com o Canadá e o México, que foi muito importante e trouxe empregos de volta para os Estados Unidos e fez subir os salários no México”, exemplificou.

“As tarifas doeram durante um bocadinho mas agora estamos melhor do que estávamos”, acrescentou.

O ambiente em Tulare e nas cidades vizinhas contribui para o sentimento positivo nesta comunidade conservadora, já que há cartazes e estandartes de apoio a Donald Trump e aos congressistas republicanos – incluindo os luso-americanos Devin Nunes e David Valadão – por todo o lado.

O vice-‘mayor’ da cidade, Dennis Mederos, explicou que as pessoas se sentem confortáveis em expressar o seu apoio porque o distrito é muito conservador.

“Os que apoiam Biden-Harris não são necessariamente tão vocais porque nesta área são uma minoria”, disse o lusodescendente, que se considera mais moderado que o resto do condado.

A luso-americana Margaret DoCanto não tem dúvidas sobre o que irá fazer. “Vou votar no Trump, sem dúvida, porque Biden é apenas um fantoche neste momento e Kamala Harris será a Presidente”, afirmou.

“Todos sabemos que ele não consegue dizer uma frase completa. É difícil acreditar que teria capacidade de nos liderar nos próximos quatro anos”, adiantou.

Manuel Correia, filho do conhecido emigrante açoriano Manuel “da loca”, pensa que Trump vai ser reeleito e justifica a diferença nas sondagens com a crispação entre os dois lados.

“Muitos conservadores têm medo de falar, por isso é que olho para as sondagens e acho que há 5 ou 6 pontos a favor de Trump que não estão a ser contados”, explicou o luso-americano.

Tal como aconteceu em 2016, quando as sondagens favoreciam Hillary Clinton, também agora Correia acredita que a vantagem de Joe Biden será revertida nas urnas.

“Pelo meu lado, gosto de tudo o que Trump fez, com a economia e isso”, disse.

Mas o seu apoio ao Presidente nem sempre é pacífico.

“Tenho um íman na minha carrinha que removo durante a noite porque não quero que andem a riscá-la”, contou, afirmando que já foi chamado de “racista” por envergar uma ‘t-shirt’ pró-Trump.

“Muitos liberais não gostam das opiniões do outro lado e tornam a nossa vida um inferno”, disse.

Um pouco mais acima, entre Fresno e Visalia, o presidente da empresa de ‘software’ agrícola Agrian, Richard Machado, acredita igualmente na reeleição.

“Penso que Trump vai ganhar. Também fiz essa previsão há quatro anos, quando toda a gente falava do apocalipse porque puseram demasiada credibilidade nas sondagens”, disse.

“O que eu vi no último ciclo eleitoral é que as sondagens não estavam a falar com as pessoas no terreno”. Agora, está a testemunhar o mesmo tipo de apoio ao Presidente a que assistiu em 2016.

“Vê-se um entusiasmo por Trump”, garantiu, contando que esbarrou recentemente com uma parada de carrinhas a apoiarem o Presidente em Fresno.

Mesmo quem não pretende votar em Trump acredita que ele será reeleito, como é o caso da assistente social Rosemary Serpa-Caso.

“Eu definitivamente quero que Biden e Harris vençam. Em termos do congresso penso que haverá lugares a passarem para os democratas”, afirmou.

“Mas acho que Trump irá provavelmente ganhar. Espero que não, mas ele já ganhou antes…”, concluiu.