De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Colunistas

Angela Merkel nas pegadas de Carlos Magno

A crise do Coronavírus vai apressar a possibilidade de se começar a contrariar a desigualdade entre os países membros da União Europeia (UE). Esta é a oportunidade que a Europa tem para acordar, se redescobrir e entender a sua missão humana no mundo.

A salvaguarda da paz entre os países europeus e o novo papel que a UE terá de assumir no século XXI, são os principais motivos que impulsionam a Chanceler alemã a intervir, num momento axial da História em que se forma uma nova orientação política mundial com base nos polos EUA e China.

À UE nada mais restará que a África como possível zona de influência directa. Apesar de, neste assunto, dormir em relação à China muito activa em África porque também precisa de votos que apoiem a sua política na ONU.

Depois dos litígios com Trump, Ângela Merkel sabe que a Europa se encontra abandonada a si mesma e que o destino da Europa e da Alemanha são comuns e dependem do relacionamento alemão.

No debate, se a União Europeia deve ou não assumir a responsabilidade de uma dívida conjunta (comunitarização da dívida pública) em benefício dos Estados com economias mais débeis, parece surgir no horizonte social alemão consenso positivo.

O plano Corona de ajuda (de 500 mil milhões de euros) proposto pela chanceler alemã Angela Merkel (CDU) e pelo chefe de Estado francês Emmanuel Macron é apoiado pela presidente AKK da CDU; ela vê no Plano um esforço conjunto em prol da coesão europeia.

O Plano Corona, permitirá à Comissão Europeia contrair empréstimos nos mercados financeiros e possibilitar um fundo de reconstrução com um volume de 500 mil milhões de euros. O dinheiro será então utilizado como subsídio não reembolsável do orçamento da UE para os países mais afectados pela crise do Corona.

Há também muitos cidadãos alemães que torcem o nariz porque consideram o pacote financeiro como um presente à França e aos membros vizinhos do Sul. Veem nele a agravante do pacote não condicionar contrapartidas dos países beneficiados e não haver restrições ou influência sobre a sua utilização. Outro ponto de crítica é que as autoridades concordam em algo e só depois é iniciado o processo democrático de consulta; processo este já sob a pressão de que a chanceler não pode ficar à chuva.

Esta iniciativa revela mais uma vez a inteligência e a vontade da Chanceler se manter orientada, nas suas decisões, por princípios de solidariedade cristã, que se encontram nos estatutos do seu partido (CDU) e necessitam de vida. Certamente sent-se nas pegadas de Carlos Magno, o pai da Europa.

A Chanceler alemã aposta no Euro e no mercado comum como factores determinantes de uma EU que não pode abdicar da sua missão mundial. Isto apesar do factor político europeu se encontra num estado muito problemático.

Angela Merkel não tem uma tarefa fácil atendendo a duas tendências europeias extremas: de um lado um norte de elites políticas poupadoras forretas e do outro, um sul de elites políticas esbanjadoras; de um lado um norte de mentalidade de cunho protestante e do outro um sul de mentalidade de cunho católico!

Penso que Angela Merkel procura, com a ajuda de Macron (e ajudando Macron), obrigar a França a assumir maior responsabilidade para que a União Europeia consiga subsistir aos desafios dos USA e da China (no futuro serão eles a tocar a música!). A Chanceler sabe que a Alemanha, só ajudando a Europa poderá salvar a Europa e deste modo salvar-se a si mesma.

Merkel é uma mulher política que não encontra na Europa homem do género que se assemelhe. Não é suficientemente valorizada por se encontrar num mundo de matriz masculina. Ela tornar-se-á no símbolo de tentativa de uma política feminina numa matriz politico-económico-social masculina. É um símbolo de governante em que a energia da feminilidade se poderia começar a afirmar numa nova matriz em que os polos da masculinidade e da feminilidade entrem numa melhor complementaridade.

Portanto, europeus, na discussão partidária política, menos ideologia e mais sentido do real em relação à política de Merkel na coligação governamental (GROKO)!

Permitindo-me um pouco de euforia no meio de muitos ainda amarrados ao preconceito contra os alemães, atrevendo-me a dizer: quem ainda não compreendeu Merkel não compreendeu Europa nem o sentido da União Europeia! O modelo federal alemão terá de ser mais objecto de observação por estudiosos interessados numa EU fiel ao espírito de Carlos Magno que apostava no fomento da cultura cristã e não apenas na economia.

António da Cunha Duarte Justo

 

Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.