De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Comunidades

Uma família portuguesa no país onde mais cerveja se bebe

Na República Checa desde 2011, André é professor de Educação Física mas arranjou tempo para se dedicar, juntamente com a mulher, Patrícia Barbosa, ao projeto Escolinha Portuguesa, um centro que apoia dezenas de crianças lusodescendentes e de outros países de língua portuguesa em atividades extracurriculares em Praga. Pelo meio, houve sempre um combustível que não dispensou, feito essencialmente de lúpulo, malte (às vezes trigo, outras centeio, muitas cevada) e água, bastante água.

Chama-se cerveja e na República Checa é consumida ao ritmo de 143 litros por ano, por pessoa, muito à frente do segundo lugar, ocupado pela Namíbia com “apenas” 108 litros por ano por habitante.

O português a viver em Praga, explicou ao jornal Expresso que mais do que acompanhamento, “a cerveja é o próprio jantar”. Por aqui, cada uma equivale a meio litro — as ‘minis’ são de 33 cl e, “dependendo do sítio, até olham de lado” para quem as pede —, por isso, depois do trabalho, não é difícil chegar aos dois litros num fim de tarde, princípio de noite. Ao fim de semana, especialmente no verão, é nos beer gardens — à letra, jardins de cerveja — que a maioria das famílias se reúne. No inverno, para combater as temperaturas exteriores, os cafés “ficam tão quentes que a pessoa até tem de beber mais, senão desidrata”, explica André.

Há cinco meses, a vida de André e Patrícia mudou com o nascimento do primeiro filho, um evento ao qual não falta cerveja. Manda a tradição checa que os pais bebam à saúde do bebé, e “quanto mais se beber, mais saúde o filho terá”, lembra André. Por impossibilidades óbvias da mãe, coube ao pai a tarefa de cumprir o ritual, ainda que Patrícia não tenha pena de não se ter juntado, já que nem a vida em Praga a convenceu a gostar da bebida. André, fluente em checo, aculturado em vários sentidos, não estava disposto a abusar, “porque queria chegar cedo ao hospital”. Porém, não faltou à chamada: antes do nascimento, “juntei um grupo de amigos e ainda bebi uns canecos”.