De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Comunidades

Petição pública para reforçar Consulado de Portugal em Londres

O autor da primeira petição pública a ser debatida em plenário na Assembleia da República lançou um abaixo-assinado em que apela ao Presidente da República o reforço dos meios no consulado de Portugal de Londres.

Gilberto Ferraz (na foto), antigo jornalista e funcionário da BBC, invoca a sua condição de “um dos mais antigos membros da comunidade lusa no Reino Unido” para se dirigir a Marcelo Rebelo de Sousa, a quem solicita “empenho e ações urgentes” para solucionar a “situação cada vez mais crítica” do posto.

O português de 83 anos, que vive no Reino Unido há mais de meio século, refere que o recente afluxo de emigração portuguesa para o país aumentou o volume de atendimento, que será agravado com os pedidos de documentação para efeitos de residência devido à saída britânica da União Europeia.

Na petição, apela a “um imediato aumento de estruturas consulares de atendimento, com base em maior número de pessoal” e à extensão do horário de funcionamento ou medidas que permitam o serviço fora do horário normal de trabalho.

A petição lançada há cerca de duas semanas na Internet recolheu por enquanto pouco mais de uma centena de assinaturas, estando o autor agora a trabalhar na divulgação.

“Está um bocadinho lento porque necessita ação: as pessoas falam muito, mas a ação é demorada”, reconheceu, em declarações à agência Lusa.

Esta não é a primeira iniciativa cívica de Gilberto Ferraz: em 2008, dinamizou uma outra petição contra o fim do voto por correspondência dos residentes no estrangeiro, que reuniu 5.533 assinaturas e conseguiu ser debatida na Assembleia da República.

A proposta de alteração à Lei Eleitoral partiu do partido Socialista e chegou a ser aprovada pelos deputados, mas foi vetada e acabou por ser abandonada pelo partido então no poder.

Recentemente, uma outra petição relacionada com o recenseamento eleitoral dos emigrantes com origem também em Londres, pelo Movimento Também Somos Portugueses, também chegou ao Parlamento e obteve cedências do governo em algumas das pretensões.