De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Lifestyle

Ivo M. Ferreira prepara série televisiva

O regresso de Ivo M. Ferreira ao Festival de Berlim, onde em 2016 competiu pelo Urso de Ouro com Cartas da Guerra, é pela porta da televisão. Prepara uma série policial noir com a crise financeira como pano de fundo, um elenco de banqueiros, desempregados ou pastores evangélicos na Lisboa da troika, no Portugal de há um par de dias. Sul, projecto criado para a RTP, é a primeira série portuguesa seleccionada para a plataforma de co-produções CoPro e está na Berlinale para tentar aumentar o seu orçamento e talvez até o seu âmbito geográfico, revela o jornal Público.

O realizador admite ao PÚBLICO ter uma “curiosidade específica” pelo trabalho em televisão, um meio que lhe é estranho (confessa, aliás, que só “há muito pouco tempo” tem televisão em casa). As referências de qualidade que vai buscar são as de Twilight Zone ou Hitchcock Apresenta, blockbusters da televisão portuguesa dos anos 80, quando ainda só havia RTP. “Não há dúvidas de que o cinema se está a repensar, que todos estes meios se estão a repensar”, reflecte, explicando que também por isso a televisão e os 450 minutos que ela lhe dará para contar a história de Sul o cativaram.

Tem na manga Hotel Império, a sua mais recente longa ainda por estrear, sucessora do feito que foram as suas (e de António Lobo Antunes) Cartas da Guerra, mas agora fala de “um aguçar do dente para pegar nesta matéria tão fantástica” que foi a crise. “Dizia-se muito que a crise era também uma oportunidade”, lembra Edgar Medina, produtor e argumentista da série. “E é uma enorme oportunidade dramática, porque transporta personagens, sensações, momentos que são particularmente bons e fortes de trabalhar”, diz o co-autor dos guiões, escritos a meias com Guilherme Mendonça (as histórias contaram também a colaboração do cronista e escritor Rui Cardoso Martins). “Como contadores de histórias, temos também uma certa dimensão de vampiros”, aponta Medina, argumentando que a crise deu visibilidade a pessoas e histórias com muito potencial arquetípico. Veio “criar um imaginário de personagens”, intervém Ivo M. Ferreira, que diz querer tratar o tema com dignidade no ambiente do cinema de género – o policial, o noir.

Para já há um só rosto e um só nome para Sul, os do actor Adriano Luz, que protagoniza a série no papel de um inspector da Polícia Judiciária. O som, além do da Lisboa da austeridade, é o dos Dead Combo. A atmosfera, remata Ivo M. Ferreira, é também marcada pelo que sabemos hoje. “O facto de a dita crise ter aparentemente acabado não veio apagar este tempo, se calhar estamos mais alerta sobre uma crise mais constante e permanente”, que nos assombra.