De que está à procura ?

belgica
Lisboa
Porto
Bruxelas, Bélgica
Desporto

Brasil passeou com México, Bélgica elimina Japão na última jogada

O Brasil, ao vencer tranquilamente o México (2-0), e a Bélgica, que superou o Japão com um contra-ataque perfeito na última jogada (3-2), marcaram encontro nos ‘quartos’ do Mundial2018 de futebol, só para europeus e sul-americanos.

Os ‘canarinhos’, no ‘top 8’ pela 18.ª vez, e os ‘diabos vermelhos’, que só vão para a terceira presença nos quartos de final, apenas superaram os seus adversários dos oitavos de final, e últimos ‘outsiders’ da prova, nas respetivas segundas partes.

Em Samara, Neymar ‘abriu o livro’, com um golo, aos 51 minutos, e uma assistência, para o suplente Roberto Firmino fechar o jogo, aos 88, com a preciosa ajuda de Willian, que fez também uma grande exibição, coroada com o passe para o tento inaugural.

No segundo encontro do dia, os japoneses também chegaram a 2-0, com tentos de Genki Haraguchi, aos 48 minutos, e Takashi Inui, aos 52, mas os belgas não desistiram, com o espanhol Roberto Martinez a ir buscar a solução ao banco.

No jogo aéreo, Jan Vertonghen, aos 69, com muita sorte, e o suplente Marouane Fellaini, aos 74, com muita competência, empataram o encontro, que parecia destinado a ser resolvido no prolongamento, em Rostov do Don.

No quarto do último minuto dos descontos, os nipónicos tiveram um canto, mas marcaram-no para as mãos de Courtois e este lançou o contra-ataque, colocando a bola em De Bruyne, que ‘galgou’ metros e endossou a bola para a direita, em Meunir, seguindo-se um centro para a área, onde Lukaku, inteligente, levantou o pé e deixou passar para o suplente Nacer Chadli encostar. Foi perfeito.

A bola foi ao centro e o jogo acabou, para loucura dos belgas, que, na sexta-feira, em Kazan, irão defrontar o Brasil, naquele que será, certamente, o jogo mais aguardado dos ‘quartos’.

O Brasil, que não terá o médio defensivo Casemiro, que viu o segundo amarelo na prova, vai procurar garantir pela 12.ª vez o ‘top 4’, enquanto a Bélgica tentará repetir o feito único de 1986, no México, quando acabou no quarto lugar.

De fora, ficaram os únicos dois conjuntos sem ser da Europa e da América do Sul que haviam passado o ‘cut’, o México, da CONCACAF, que caiu pela sétima vez consecutiva nos ‘oitavos’, e o Japão, da Ásia, vítima desta fase como em 2002 e 2010.

Nos oito primeiros, e como já tinha acontecido 11 vezes, só vão acabar seleções da Europa e da América do Sul, sendo que, para já, o ‘velho continente’ tem quatro (França, Rússia, Croácia e Bélgica) e a América do Sul duas (Uruguai e Brasil).

O continente da casa tem mais uma vaga garantida, pois o penúltimo jogo dos ‘oitavos’ é entre Suécia e Suíça, e a hipóteses de uma sexta, se a Inglaterra superar a Colômbia, que quererá ‘selar’ o terceiro ‘passaporte’ dos sul-americanos, em dois embates agendados para terça-feira.